16/11/2017

...



“De acordo com o moderno paradoxo. [antiquitas saeculi juventus mundi, na formulação de Francis Bacon (1961-1626), isto é, o mundo é mais antigo na era moderna de que o era na antiguidade, já que muitos mais anos decorreram entretanto.]”
Jonathan Swift, “Singela Proposta”, pág. 25, Antígona, Lx, 2013.

20/10/2017

...


“A expressão «turismo de qualidade» significa, traduzida em miúdos, o turismo destinado a gente com contas bancárias chorudas, de preferência estrangeiros oriundos de «países bons». Para as restantes multidões o turismo não tem de ser «de qualidade», basta ser uma merda qualquer.”
Júlio Henriques, “Alucinar o Estrume”, pág. 37, Antígona, 2017, Lisboa.

17/10/2017

21 e 22 de Outubro — das 14 às 23 H (Sábado); das 14 às 20 H (domingo)



PROGRAMAÇÃO mais informação - AQUI


LISTA EXAUSTIVA DE EDITORES E IMPRESSORES CONFIRMADOS COM BANCA

DURANTE A OCORRÊNCIA (CERCA DE 40 EDITORES CONFIRMADOS):


100 Cabeças; Antígona; Atelier Guilhotina; Bárbara Lopes; Chili com carne/ MMMNNNRRRG; Clube do Inferno; Clube dos tipos/ Editora dos tipos; Cronópio; Debout sur l'Oeuf/ Do Lado Esquerdo; Dedo Mau; Douda Correria; Edições 50kg; Edições do Saguão; Edições do Tédio; Elena Sanmiguel Urbina; Fanzines e Martelos; Filipe Felizardo; Formandos curso auto-edição Oficina do Cego; Galho; Hélastre; Imprensa Canalha; Letra Livre (representando também Averno, Língua Morta e Fenda); Linha de Sombra; Livros de Bordo; Maldoror; Mia Soave; Mike Goes West; Momo; Não edições; O Corvo da Bad; O Gato Mariano; O Homem do Saco; Oficina Arara; Oficina do Cego; Orfeu Negro; Papeleiro Doido; Pé de Mosca; Quarto de Jade; Serrote; Sílvia Rodrigues; Stet; Stolen Books; Tipo PT; Triciclo; Urubu; Vintage Warehouse; Xavier Almeida; Xerefé; XYZ.


+ BANCA DE ALFARRÁBIO E SEGUNDA MÃO

15/10/2017

"TRÊS AMERICANOS



Donde vêm?
De toda a parte.
Para onde vão?
Para o dinheiro."

Eça de Queirós, “Notas Contemporâneas”, pag. 407, Livros do Brasil, Lisboa.

Ozumorandi...


...

“Em Portugal há só um homem – que é sempre o mesmo ou sob a forma de dandy, ou de padre, ou de amanuense, ou de capitão: é um homem indeciso, débil, sentimental, bondoso, palrador, deixa-te ir, sem mola de carácter ou de inteligência, que resista contra as circunstâncias. É o homem que eu pinto [Os Maias] – sob os seus costumes diversos, casaca ou batina. É o português verdadeiro. É o português que tem feito este Portugal que vemos… “

Eça de Queirós,”Notas Contemporâneas”, pp. 405-6, Livros do Brasil, Lisboa.

30/09/2017

SOBRE O TURISMO…

“ - agora que percorrer o mundo já não é, como no século XV, empreendimento de grande confusão, alarido e dano. Com todos os nossos mares aclarados, nenhum tenebroso, e divertidos hotéis boiantes para os atravessar, providos de adega, de inglesas sensíveis, - milhares de sujeitos, constituindo já uma classe, possuindo já um rótulo, globetrotters (trotadores do globo), trotam, assobiam, dão vivamente a volta ao Mundo, com a facilidade, se não a filosofia, do fino De Maistre dando a volta ao seu quarto. Mas estes sujeitos trotam, «para se dissiparem, não para se acrescentarem», segundo a forte expressão eclesiástica – e no seu trote contínuo através dos continentes vão assobiando, porque não vão pensando."

Eça de Queiroz, “Notas Contemporâneas”, pág. 363,Livros do Brasil, Lisboa.

SOBRE VOTAR…


“Depois, a presença angustiosa das misérias humanas, tanto velho sem lar, tanta criancinha sem pão, e a incapacidade ou indiferença de monarquias e repúblicas para realizar a única obra urgente do mundo «casa para todos, o pão para todos», lentamente me tem tornado um vago anarquista entristecido, idealizador, humilde, inofensivo… Anarquismo mesmo vago; tristeza, mesmo filosófica; idealização, mesmo escondida não compõem um bom cortesão.”

Eça de Queiroz, “Notas Contemporâneas”, pp.359-360,Livros do Brasil, Lisboa.

27/08/2017

Encadernação...

Chanfro a toda a volta de uma pele carneira para uma encadernação em inteira de pele (RAR)




Verificar a espessura do chanfro com um micrómetro... (RAR)

Chifra a trabalhar a retirar espessura à dobra da pele







Com o alicate de nervos realçamos cada um dos nervos... (RAR)






...


FACTOTUM: Há o Teatro D. Maria, que se não apresenta cem quadros dá-nos em cada melodrama cem mortes, duzentas choradeiras e quatrocentos reconhecimentos!
COMETA: Belo, belo! Venha ao Teatro D. Maria! Eu sou doido por emoções fortes! (Música)
1.º NOTICIARISTA: Silêncio, aí o tem justamente num lance bem patético, numa cena de reconhecimento!
DAMA (entra em cena espavorida, com os cabelos caídos): É possível? Meu pai?... Ele?... Ele?... E o meu coração não me dizia nada… (Indo lançar-se-lhe nos braços) Ah!... Meu P a a a a a i!
PAI (correndo da direita com os braços abertos): Minha F i i i i lha!
AVÓ (idem da direita): Minha neta!
NETA (idem da esquerda): Minha Avó!
DAMA (idem da direita): Meu esposo!
ESPOSO (idem da esquerda): Minha Esposa!
(Saindo ao mesmo tempo de diversas partes, caindo todos nos braços uns dos outros e soluçando sobre o ponto, este abre um guarda-chuva)
TODOS (dando muitas palmas): Bravo! Bravo! Bravo!
COMETA (limpando os olhos): É bonito, mas sensibiliza de mais!
PAI: É tarde meus queridos filhos! Agora que afinal sou venturoso não quer a desventura que eu sobreviva à minha ventura! (Cambaleia)
TODOS: Bravo! Bravo!
COMETA (ao mesmo tempo): Bravo! Que pureza de linguagem!
PAI: Sinto-me desfalecer… um veneno fatal percorre as minhas veias… Adeus, eu morro!
TODOS: Envenenado?! Ah!
PAI (ansiando): Sim, meus filhos, mas vou morrer lá p’ra dentro para não entulhar a cena! (Sai aos pulinhos)
TODOS: (os de D. Maria II): Oh! Não, não; não lhe devemos sobreviver!
(Tiram frascos d’água-de-colónia e garrafinhas caricatas, que põem à boca, bebem e vão para dentro tragicamente, figurando que se envenenaram.)

O Melodrama e a Mágica” in «Revista do Ano 1858» de Joaquim António de Oliveira.

21/08/2017

...

“Não há poema sem acidente, não há poema que não se abra como uma ferida, mas também não o há que não fira”

Jacques Derrida, “Che cós'è la poesia? Angelus Novus, Coimbra, 2003.